Quais são os sintomas do Parkinson? Veja as 5 fases doença

Você já reparou em quanta coisa o nosso corpo faz sem que a gente precise pensar muito? Mexer os dedos, piscar os olhos, sorrir, andar. Você só precisa pensar no que quer, e o seu cérebro faz o trabalho de conduzir os movimentos. Tudo isso ocorre porque o nosso cérebro produz uma substância chamada de dopamina. Quando o cérebro deixa de produzir a dopamina, os movimentos deixam de ser fáceis e passam a exigir mais esforço do que o comum, muitas vezes ficando incontroláveis. Assim surge o Parkinson. Por isso, vamos te ajudar a reconhecer quais são os sintomas do Parkinson – enfermidade que afeta 1% da população mundial com mais de 65 anos, segundo dados da Organização Mundial da Saúde.

O Parkinson atinge, principalmente, pessoas em idade avançada e, neste texto, além dos sintomas, você vai saber de que modo podemos prevenir a doença, o que é muito importante para evitarmos as consequências e também para sabermos lidar com os idosos à nossa volta.

As causas do Parkinson

É comum que se acredite que o envelhecimento é a causa do Parkinson, mas isso não é verdade. Quando chegamos a uma idade avançada, produzimos muito menos células para o sistema nervoso (que é o responsável pelos movimentos que fazemos), e isso é um processo natural. (Esse processo, inclusive, é mais comum em homens do que em mulheres). Mas algumas pessoas perdem essas células de modo muito acelerado, e por isso desenvolvem a doença de Parkinson, causada por fatores genéticos ou ambientais.¹/²

Entre a população jovem, são raros os casos de Parkinson – cerca de 10% dos pacientes possuem menos de 50 anos – mas eles existem, e apresentam as mesmas causas e sintomas. Você se lembra do ator que fez o filme De Volta Para o Futuro? Michael J. Fox revelou ter a doença desde os 29 anos, mas só contou para a imprensa aos 55. ³

Como reconhecer quais são os sintomas do Parkinson?

O Parkinson não acontece de uma vez, ele é um processo lento.  Antes de surgirem os problemas relacionados aos movimentos, o corpo dá sinais como perda do olfato, ansiedade, problemas urinários, dores nas costas e nas articulações, dificuldade para dormir e até depressão.  Esses sintomas indiretos podem aparecer alguns anos antes dos problemas mais graves. Por isso, é importante prestar atenção aos sinais, e se necessário, procurar a ajuda de um médico.4

A falta de informação muitas vezes aponta para uma visão do Parkinson apenas como a doença das mãos que tremem, um dos sinais mais claros e chamativos, mas este não é o único sintoma. Abaixo, uma lista de outras formas de reconhecer o Parkinson:

Quais são os primeiros sintomas motores do Parkinson

  • Tremores no corpo durante o repouso (principalmente das mãos)
  • Rigidez Muscular
  • Engasgos frequentes
  • Muito esforço para mover pernas e braços
  • Dificuldade de andar
  • Dificuldade de falar
  • Tremor ao escrever
  • Lentidão
  • Alterações sutis nos movimentos do rosto (piscar os olhos, sorrir, levantar as sobrancelhas)
  • Dificuldades em atividades manuais, como abotoar roupas e escrever

Se você sentiu qualquer uma das dificuldades listadas acima, não hesite em consultar um especialista, pois a situação pode se agravar ao longo do tempo, como veremos abaixo, e se tornar irreversível.

Sintomas do Parkinson: as 5 fases da doença

Apesar de se apresentarem em intensidades diferentes em cada paciente, os sintomas do Parkinson seguem um padrão, que a medicina define como as 5 fases da doença. 5

Fase 1 – Quais são os primeiros sintomas de Parkinson

Neste estágio, os sintomas prejudicam apenas um lado do corpo, ainda de maneira leve, e os pacientes costumam sentir tremor em uma das mãos. Mas, em geral, é uma fase sem interrupções que atrapalhem o dia a dia. O paciente ainda possui autonomia, por isso é mais difícil de reconhecer como uma possível doença situações como sentir pequenos desequilíbrios ou virar o pé ao andar.

Fase 2 – O corpo em marcha lenta

Agora, com os dois lados do corpo atingidos, o paciente começa a sentir maiores dificuldades nas atividades diárias, como se levantar e iniciar os movimentos. Os passos ficam mais lentos e curtos e a fala fica mais baixa e embolada. A partir desta fase, seu médico já deverá lhe indicar profissionais como fisioterapeutas e fonoaudiólogos para acompanhar a evolução do caso.

Fase 3 – Você vai precisar de companhia

Ficar de pé, andar, comer e até se vestir se tornam atividades complicadas de realizar sozinho. Nesta fase, o equilíbrio do paciente fica extremamente frágil. É muito importante realizar um tratamento de terapia ocupacional para evitar perder totalmente a autonomia.

Fase 4 – Cuidados em tempo integral

A partir deste período, os movimentos ficam totalmente comprometidos. Por isso, é muito necessário ter um cuidador, um amigo ou parente em tempo integral para ajudar nas tarefas domésticas e de rua.

Fase 5 – Muitos remédios e nenhum movimento

No último estágio, não é possível mais andar. O paciente precisa utilizar cadeiras de rodas, alguns nem saem mais da cama. Essa também é a fase onde é preciso administrar medicamentos mais fortes, com possíveis efeitos colaterais.

Sintomas do Parkinson: tratamento

O Parkinson, infelizmente, ainda não possui nenhum método de cura ou de reversão da doença, mas existem vários tipos de terapias, medicamentos e até cirurgias que podem ajudar no controle da doença e melhorar a qualidade de vida do paciente.

parkinson tratamento

Medicamentos

Os medicamentos para o controle do Parkinson têm como objetivo elevar a produção da dopamina no cérebro do paciente. Esses remédios são receitados de acordo com o estado de cada pessoa e ajustados conforme ocorrer a evolução do quadro do paciente. Além disso, muitas vezes, é necessário combinar duas ou mais fórmulas para que o resultado seja mais eficiente. Entretanto, com a evolução da medicina, hoje os remédios para o Parkinson já atuam de forma pouco agressiva, simulando a produção de dopamina do mesmo jeito que o cérebro faz durante a juventude. Este método ainda é considerado o mais importante dos tratamentos do Parkinson.6

No Brasil, já está disponível também um medicamento em forma de um adesivo que estimula células e neurônios receptores no cérebro, reduzindo os sintomas da doença.

Fisioterapia

Tão importante quanto o uso de remédios é a fisioterapia. Segundo a fisioterapeuta Renata Rocha (CREFITO RJ 260741-F), os tratamentos mais indicados para o paciente de Parkinson são os neurofuncionais (recomendados também para vítimas de AVC, pacientes paraplégicos, entre outros), aqueles que trazem maior movimento para o corpo. Durante o tratamento de fisioterapia, o paciente treina os alongamentos, o fortalecimento muscular e a mobilização, a fim de evitar o constante risco de quedas. Inegavelmente, a fisioterapia deve ser iniciada o quanto antes, para retardar os efeitos do Parkinson.

Outros tratamentos como estes também ajudam, como hidroterapia, musicoterapia e todo tipo de exercício rítmico.

Cirurgia

Quando os tratamentos citados anteriormente não funcionam como o esperado para tratar os sintomas do Parkinson, ou o caso está evoluindo muito rapidamente, os médicos podem indicar a cirurgia de Estimulação Cerebral Profunda (EPC). Nesta cirurgia é colocado um marca-passo no cérebro, que vai estimular a produção de dopamina e melhorar os comandos do seu corpo para a realização dos movimentos. Normalmente, os pacientes que precisam passar por isso possuem de quatro a cinco anos convivendo com a doença, e os remédios já estão perdendo efeito horas depois de tomados.7

Outro tipo de pessoa que pode precisar desta cirurgia assim que o diagnóstico é dado, são aqueles pacientes que têm alta sensibilidade no estômago para o uso de remédios ou sofrem mais do que o normal com os efeitos colaterais dos medicamentos, como sonolência e vontade de vomitar.

Desde que foi criada, na década de 1980, a EPC apresentou resultados muito bons: em média, o paciente que passou pela cirurgia tem até 4 horas sem tremores durante o dia, além de apresentar um conforto maior para dormir e ainda sentir menos dores e cansaço.

Sintomas do Parkinson: como prevenir

Não podemos prever se vamos ter Parkinson ou não, mas alguns hábitos, se forem cultivados desde cedo, podem impedir a chegada da doença. Por isso, conheça algumas medidas fáceis para aplicar no seu dia a dia.

Sintomas do Parkinson: como tratar - exercícios físicos

Fazer atividades físicas

Esta é uma dica que serve pra quase tudo que tem a ver com uma vida melhor. Por exemplo, fazer caminhadas, corridas, praticar esportes, dançar, ir à academia. Tudo que movimenta seu corpo leva oxigênio para o cérebro e, consequentemente, os neurônios vão sendo renovados com maior frequência.

Comer alimentos antioxidantes

Essa é uma palavra difícil, mas esses alimentos são bem fáceis de encontrar no mercado ou na feira, e vão abastecer seu corpo com tudo que ele precisa para impedir o surgimento do Parkinson. São eles:8

  • Cravo
  • Orégano
  • Alecrim
  • Tomilho
  • Canela
  • Açafrão da Terra
  • Baunilha em Fava
  • Açaí
  • Salsa
  • Noz Moscada
  • Manjericão
  • Cacau em pó
  • Semente de cominho
  • Curry em pó
  • Pimentas branca, preta e vermelha
  • Gengibre
  • Mostarda amarela
  • Manjerona
  • Chocolate meio amargo
  • Nozes
  • Estragão
  • Framboesa
  • Farelo de Sumagre

Estimular o cérebro

Outra opção muito fácil para prevenir os sintomas do Parkinson é estimular o seu cérebro fazendo coisas como ler, calcular, escrever, participar de jogos de concentração (como o Xadrez), aprender uma nova língua ou um instrumento musical, fazer aqueles jogos de revista (caça palavras, sudoku, cruzadinha), por exemplo. Aliás, da mesma maneira que um exercício físico deixa seus músculos mais fortes, estimular o cérebro deixa seus neurônios mais resistentes às doenças.9

Conviver com as pessoas

Evite ficar sozinho por longos períodos. Então, participe de clubes, faça cursos, visite os seus vizinhos, vá ao shopping, visite hospitais. A convivência em sociedade faz muito bem para manter o cérebro saudável.8

Novidades da ciência para o tratamento do Parkinson

Num mundo onde existem cada vez mais idosos plenamente ativos, que viajam, que voltam a se casar, que saem para dançar, praticam esportes e até viram empresários, ser diagnosticado como portador da doença de Parkinson pode se tornar uma luta muito difícil, afinal, a vida de uma pessoa com mais de 60 anos tem melhorado, e muito. Mas há esperança: o Portal PEB MED publicou, em 2019, as mais recentes descobertas no tratamento do Parkinson, que incluem:

  • Vacina para impedir o crescimento do Parkinson (em desenvolvimento nos Estados Unidos)
  • Novos remédios ainda mais eficientes
  • Toxina botulínica para frear a a salivação em excesso dos pacientes de Parkinson
  • Resultados preventivos a partir da Dieta Mediterrânea
  • Novas tecnologias dos marca-passos (já disponíveis no Brasil).

O tratamento certo, somado a um estilo de vida saudável como por exemplo hábitos alimentares mais saudáveis, e a prática regular de exercício físico adaptado, podem oferecer uma excelente qualidade de vida ao parkinsoniano. Além disso, sempre consulte um médico e tire as suas dúvidas sobre o Parkinson e outras doenças que podem acontecer durante o envelhecimento, que pode ser muito mais saudável se você seguir estas dicas.

Colaborou neste conteúdo:

Dra. Daniela Maria Cardozo – CRM 119421 – Geriatra

Referências bibliográficas e a data de acesso:

1. Sociedade Beneficente Albert Estein – 22/01/2020

2. Tratado de Geriatria e Gerontologia (FREITAS, PY, GORZONI, DOLL e CANÇADO – Guanabara Koogan, 2ª edição)

3. Doutor Erich Onoff – 22/01/2020

4. Folha Vitória – 22/01/2020

5. Doutor Erich Onoff – 22/01/2020

6. Guia da Farmácia – 23/01/2020

7. Abril – 23/01/2020

8. Ig – 23/01/2020

9. Hospital 9 de Julho – 23/01/2020