Puerpério imediato, emocional e tardio: Quanto tempo dura?

O que é e quanto tempo dura o puerpério?

Nesse artigo vamos esclarecer tudo sobre pós-parto: Quanto tempo dura o puerpério? O que é puerpério tardio? Existe puerpério emocional? O que precisamos saber sobre puerpério imediato?

O período pós-parto é cercado de novidades, emoções e alegrias, mas também pode ser um período de muitos medos e desafios. Além dos cuidados dedicados ao bebê que acaba de nascer, essa é também uma fase em que a mulher começa a reencontrar-se com seu corpo.

Depois de lidar com todas transformações causadas pela gravidez, o corpo feminino começa a voltar ao estado natural, àquele antes da gestação. Para lidar com todas as mudanças que acontecem nessa fase, os cuidados com a saúde feminina são importantes para seu bem-estar físico e psicológico. Entenda mais sobre o puerpério:

O que é puerpério?

O puerpério é a fase que acontece no período pós-parto. São todas as mudanças corporais e emocionais pelas quais a mulher passa em um curto espaço de tempo. Tudo muda: os hormônios mudam, o corpo muda, as necessidades mudam e o ambiente também muda, já que agora existe um bebê aqui fora: um pequeno ser-humano que também está passando por uma nova fase, agora descobrindo o mundo fora do ventre da mãe. ¹

Por isso é normal que a mãe esteja atenta para protegê-lo e dar tudo o que necessite, e muitas vezes esqueça-se de suas próprias necessidades. Lembre-se que o bem-estar de seu bebê depende muito do seu próprio bem-estar. Logo, é preciso se fortalecer fisicamente e emocionalmente, para que essa fase de descobertas seja leve e prazerosa. Por isso, não se deixe de lado, priorize também a sua saúde e suas próprias necessidades individuais.

Quanto tempo dura o puerpério? Rede de apoio da mulher

Ao mesmo tempo, a ajuda da rede de apoio é essencial nessa nova fase. Se você é o cônjuge, o familiar ou um amigo(a) da mulher que passa pelo puerpério, dedique-se a acompanhá-la de perto, oferecendo suporte às suas necessidades corporais e também acolhimento para suas demandas emocionais.

Quanto tempo dura o puerpério?

O puerpério dura no mínimo 45 dias. No entanto, é impossível saber exatamente quanto tempo ele vai permanecer. Em mulheres que amamentam por um longo período, por exemplo, o puerpério pode durar muito mais do que apenas 2 meses, já que corpo feminino continua passando por transformações que têm a ver com a amamentação.

Isso acontece porque nos critérios clínicos, o puerpério termina quando a mulher volta a ovular e sua função reprodutiva se restabelece, demonstrando que o corpo “é o mesmo” de antes da gravidez. Quando as mulheres não amamentam, a primeira ovulação costuma acontecer dentro de 6 a 8 semanas depois do parto.

Já para as mulheres que estão amamentando exclusivamente (ou seja, quando o bebê apenas se alimenta do leite materno), fica muito mais difícil prever quando a ovulação retornará. Isso significa que o puerpério pode durar de 6 até 8 meses, mais ou menos quando o bebê começa a se alimentar de outras fontes, além do leite materno. Esse período de volta da ovulação também vai depender da frequência em que as mamadas acontecem. ²

O puerperio dura mais em muheres que amamentam

Fases do Puerpério

Como já dissemos, na literatura médica o puerpério é o período do pós-parto em que as alterações no corpo da mulher – provocadas pela gestação e parto – voltam às condições que eram antes da gravidez. Sendo assim, o puerpério se divide em 3 fases principais: 3

  • Imediato (1º ao 10º dia);
  • Tardio (11º ao 42º dia);
  • Remoto (a partir do 43º dia).

O que é puerpério imediato?

O puerpério imediato marca do 1° ao 10° dia pós-parto e tem início logo após a expulsão da placenta. Na primeira hora, o útero continua contraindo e os sinais vitais estabilizam. Mulheres que fizeram parto natural, podem se levantar e caminhar um pouquinho pelo quarto, já nas primeiras horas seguintes ao parto. Isto evita o surgimento de trombose, beneficia o fluxo intestinal e colabora para seu bem-estar. 4

Caso a mulher tenha passado por uma cesárea ou tenha tido um parto normal, que precisou de pontos na vagina, a limitação aos esforços será importante, entretanto, movimentar-se ainda é necessário como prevenção de trombose e retorno das funções intestinais, 5

O útero estará voltando ao tamanho normal. Por isso é comum ter cólicas, que, às vezes, aumentam durante a amamentação. Nesses 10 primeiros dias, até mais ou menos um mês após o parto, pode acontecer uma secreção que sai pela vagina, que no início é como um sangramento e depois vai diminuindo e clareando gradativamente.

A pressão arterial e a frequência cardíaca, no entanto, mantêm-se dentro dos parâmetros normais. A temperatura no terceiro ou quarto dia experimenta uma elevação pelo aumento do metabolismo mamário. Este aumento não deve durar por mais de 24 horas. 6

Se houver dor na parte de baixo da barriga, sangramento vaginal com cheiro desagradável e febre, o recomendado é procurar rapidamente atendimento médico, pois pode haver um quadro de infecção que necessita de tratamento.

Atenção cônjuges e familiares: A mãe passou por transformações da gestação e do parto, e poderá se sentir frágil e insegura em alguns momentos. Se esses sentimentos aparecerem, é muito importante lembrá-la de que esta fase é passageira e que logo ela e o bebê estarão mais confortáveis nesta nova vida. 1

Quanto tempo dura puerpério imediato?

Quanto tempo dura o puerpério imediato e quais os cuidados necessários?

O puerpério imediato dura 10 dias. A mãe e o bebê devem retornar ao médico obstetra e ir ao pediatra já na primeira semana após o parto. Sempre que possível, acompanhada do pai do bebê ou do(a) parceiro(a) ou de um familiar. O atendimento nesse período é importante para: ¹

  • Saber como está a saúde(física e mental) da mãe e saúde geral do bebê;
  • Avaliar a amamentação e o sangramento vaginal;
  • Observar a cicatrização e retirar pontos, se necessário;
  • Examinar o bebê, vacinar e realizar o teste do pezinho (se ainda não tiver sido feito no hospital);
  • Discutir se deseja ou não uma nova gravidez e se não, quais são as opções de métodos anticoncepcionais.

As relações sexuais deverão aguardar em média 40 dias, tempo para o organismo da mulher se recuperar. Independentemente do tipo de parto, é comum a diminuição da libido e vagina ter pouca lubrificação, o que poderá causar certo desconforto na relação sexual, mas o corpo deve voltar ao normal.

O que é puerpério tardio?

O puerpério tardio é o período entre o 11° ao 42° dia do pós-parto. O corpo feminino ainda está sofrendo alterações e os cuidados devem continuar, mesmo que a fase inicial tenha se encerrado, pois tanto o útero quanto a região genital ainda estão passando por mudanças para retornar ao seu estado natural. 4

As mudanças sofridas pelo útero após dar à luz  continuam. No final da gestação o órgão media 32 centímetros, e após o nascimento do bebê ele voltará a medir apenas 7. Também diminui o seu peso: de 1 quilo e meio, o útero volta a pesar 60 gramas. 

Durante os 25 dias pós-parto, o endométrio (mucosa que cobre o interior do útero) vai cicatrizando de forma natural e, com o passar das semanas, vai recobrando a espessura. 6

Como explicamos no início do texto, entre 30 e 45 dias pode reaparecer a ovulação. No caso de não haver fecundação, reaparece a menstruação. Se você deseja amamentar o seu bebê por um longo período e de modo bastante ativo, notará que o seu puerpério pode durar por mais tempo, inclusive, atrasar o retorno do ciclo menstrual.

Ao fim dessa fase, as relações sexuais já podem ser reiniciadas.

Tudo sobre puerpério tardio

Quanto tempo dura o puerpério tardio e quais os cuidados necessários? 7

O puerpério tardio dura mais ou menos 31 dias. Os cuidados devem incluir a segunda visita ao obstetra e pediatra para se certificar de que tudo vai bem com a mulher e o bebê.

As consultas de acompanhamento da mulher após o nascimento do bebê são importantes, pois previnem problemas como depressão pós-parto, anemia, infecção urinária, pressão alta, diabetes, problemas na tireoide e trombose, além de avaliar a amamentação e a recuperação da vagina, em caso de parto normal, ou dos pontos da cirurgia, caso o parto tenha sido cesárea.

Essas consultas também ajudam a identificar infecções na mãe que podem acabar passando para o bebê por meio da amamentação e vice-versa. O médico poderá pedir exames hormonais para garantir que tudo está correndo conforme o esperado. Outra importante função do acompanhamento médico no puerpério tardio é fazer a avaliação o estado emocional da mulher e diagnosticar casos de depressão pós-parto, quando é necessário acompanhamento de psicoterapia.

O que é puerpério remoto?

O puerpério remoto começa a partir do 43° dia do pós-parto. Como vimos anteriormente, mesmo depois que a mãe começar a amamentar, ela tem modificações em seu corpo. No período puerperal, a mulher não ovula, entretanto, a partir do quadragésimo dia, ela pode começar a ovular novamente, e caso isso aconteça, essa é a marca do puerpério remoto. 4

Nessa fase as relações sexuais já podem voltar ao normal, por isso é importante lembrar que é o momento de iniciar um método anticoncepcional, a menos que ela deseje engravidar novamente.

Quanto tempo dura o puerpério remoto e quais os cuidados necessários?

Nessa fase, a consulta médica também é importante, além da definição e início do método anticoncepcional, o médico irá avaliar a recuperação corporal e também psicológica da mulher. Lembrando que se a mulher apresentar sintomas de depressão pós-parto, a consulta pode acontecer ainda antes do início do puerpério remoto.

É importante estabelecer a diferença entre tristeza e depressão pós-parto. A tristeza pós-parto é quase fisiológica. Dependendo da estatística, de 50% a 80% das mulheres apresentam certa tristeza, ela também é conhecida como baby blues. Essa tristeza e irritabilidade que têm início em geral no terceiro dia depois do parto e dura uma semana, 10, 15 ou 20 dias, e desaparece espontaneamente. Já a depressão pós-parto começa  depois do nascimento da criança e deixa a mulher incapacitada, com dificuldade de realizar as tarefas do dia a dia. 8

O que é puerpério emocional?

Como vimos, na prática o tempo que dura o puerpério pode variar. Mas ele também pode ir além da recuperação da ovulação, especialmente nas questões emocionais. Psicologicamente, a maneira como a mulher se relaciona com as experiências do pós-parto está diretamente atrelada às expectativas, crenças, informações, atenção, cuidado, compreensão e ao apoio que recebeu desde a gestação. Estes fatores lhe permitem estar mais consciente e ativa neste processo.

Este modo de olhar para o puerpério entende que o tempo para que a mulher se sinta suficientemente capaz para exercer a maternidade do seu modo, é muito particular. Nessa perspectiva, a mulher é compreendida também dentro das condições emocionais e psíquicas que experimenta no pós-parto. Por isso os cuidados especiais no período pós-parto vão depender também das necessidades que ela mesma possa vir a sentir. 3

O que é puerpério emocional?

O puerpério emocional não é necessariamente o baby blues (tristeza natural que acontece por causa dos hormônios) nem mesmo a depressão pós-parto. Mas é um termo usado para dar visibilidade às necessidades emocionais da mulher que teve um parto recente.

Apesar de o nascimento de um filho ser um momento especial, as transformações não são apenas físicas. Existe uma grande responsabilidade envolvida, noites mal dormidas e às vezes até preocupações com outros filhos, com o trabalho que ficou para trás, com a família, e até com relacionamento conjugal, quando a mãe tem um parceiro(a) ou deseja ter um. Por isso e as exigências emocionais são muito grandes. 2

Insônia, cansaço (ou exaustão), medo de não dar conta, diminuição da libido, oscilação entre estados de humor ou até mesmo a presença de depressão pós-parto são algumas características do puerpério emocional, e assim como a recuperação do corpo, muitas vezes a mulher precisa dar atenção à sua saúde mental.

Quanto tempo dura o puerpério emocional e quais os cuidados necessários?

Não é possível saber quanto tempo dura o puerpério emocional. Mas sabemos que as desordens psicológicas naturais que acontecem por conta dos hormônios, duram mais ou menos 20 dias, diminuindo depois disso.

A medida em que a rotina se estabiliza, a angústia natural dessa transformação também tende a diminuir. De todo modo, é importante que a mulher também preste atenção aos seus sentimentos, pensamentos e comportamentos. Assim como, que sua rede de apoio esteja presente e atenta a qualquer sinal de que algo não vai bem.

Dicas para passar pelo puerpério emocional de uma forma mais leve:

  • Fazer atividade física: escolha algo que goste de fazer, mas sempre prestando atenção àquelas recomendadas segundo sua recuperação corporal e o tipo de parto que teve.
  • Qualidade do sono: embora um bebê pequeno possa exigir atenção noturna, dividir as tarefas de trocar e alimentar o bebê durante a madrugada podem ser um grande alívio. Se o bebê mamar no peito, você pode tentar ordenhar e armazenar leite ou mesmo dormir durante o dia junto com o bebê.
  • Alimentação balanceada: as pessoas que seguem dietas ricas em verduras, frutas, grãos sem processar, peixes e mariscos, que contêm poucas quantidades de carnes magras e laticínios, têm risco de depressão de 25% a 35% mais baixo. 9
  • Tirar um tempo para você: embora a maternidade seja um sonho para muitas mulheres, às vezes é importante lembrar que você não é SÓ mãe, lembre-se dos outros papéis que você tem e de tudo que gosta de fazer. Peça para que alguém de sua confiança fique uma meia horinha com seu bebê para que você possa ficar só. Tomar um banho com calma, ler um livro, ficar um tempinho fazendo nada, ou mesmo retomar seus planos de carreira podem dar um respiro da rotina agitada.
  • Autoconhecimento: Quando conhecemos a maneira como funcionamos e as coisas que nos angustiam, fica mais fácil lidar com nossas questões emocionais. Você pode experimentar a psicoterapia para que tenha a oportunidade de olhar para si de um outro ponto de vista, além de se sentir mais segura para lidar com os desafios do dia-a-dia.

Esperamos que esse artigo tenha esclarecido suas dúvidas sobre o puerpério e que nossas dicas contribuam para que você viva essa fase com bem-estar e alegria.


Colaborou com esse artigo:
Dra. Karen Rocha De Pauw
Ginecologista – CRM-SP 106923
Site: www.doutorakaren.com


Referências Bibliográficas e datas de acesso

1 – Puerpério – Ministério da Saúde – 23/01/2020

2 – Mamãe de primeira viagem – 29/01/2020

3 – Leiturinha – 01/02/2020

4 – Minuto Saudável – 01/02/2020

5 – Bebê e Mamãe – 02/02/2020

6 – Huggies – 02/02/2020

7 – Tua Saúde – 02/02/2020

8 – Drauzio Varella – 02/02/2020

9 – Associação Brasileira de Nutrição – acesso em 14/12/2019