Saúde Mental: Você conhece o propósito do janeiro branco?

Janeiro Branco - Supera Farma

Essa época do ano é sempre preciosa, não é? Energias se renovando, reflexões sobre o que se viveu e muita expectativa para mais um ciclo prestes a iniciar. Nessa mesma sintonia, em poucos dias celebramos o janeiro branco, uma campanha que nos convida a repensar nossa saúde mental.

O objetivo da ação é nos fazer refletir sobre o sentido e o propósito das nossas vidas, a qualidade dos nossos relacionamentos e o quanto conhecemos sobre nós mesmos: nossos sentimentos, pensamentos e comportamentos. ¹

Preparamos esse artigo para contribuir com a iniciativa. Nele, vamos mergulhar em nosso universo interior e entender como nossa saúde mental está conectada à nossa saúde física.

Quem cuida da mente, cuida da vida

Esse é o slogan oficial da campanha. E ele diz muito sobre saúde mental, afinal, cuidar da mente é dar atenção a todos os aspectos da nossa vida, pois é impossível ter saúde quando nosso mundo interior não vai bem. A Organização Mundial de Saúde reforça essa mensagem e esclarece:

“Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a mera ausência de uma doença ou enfermidade.”

Desse modo, fica claro que a saúde mental é uma parte inseparável e essencial da nossa saúde como um todo. E justamente por isso é importante criar uma rede apoio ampla e consistente para discutir o assunto. O janeiro branco é a soma de esforços entre profissionais da saúde e toda comunidade, que tem como objetivo construir uma sociedade com mais amor e mais responsabilidade. ¹

janeiro Branco: Quem cuida de si, cuida do outro

“Cuidar de si é cuidar do outro”

Essa é outra boa notícia, o cuidado com nossa saúde mental vai além de nós. É um ciclo que que se multiplica e chega a todas as pessoas com as quais convivemos, pois quando cuidamos da nossa saúde mental, nos tornamos mais pacientes, compreensivos e empáticos.

Tudo isso se constrói e se fortalece a partir de um único propósito: educar a população sobre saúde mental. Vamos começar compreendendo saúde mental e sua influência no nosso dia-a-dia.

Saúde mental: Um olhar para nossas necessidades emocionais

Quando estamos equilibrados com nossos pensamentos, percepções, emoções e ações, conseguimos exercer nossas habilidades e lidar com as tensões normais da vida. Também trabalhamos de forma mais produtiva e somos capazes de fazer contribuições reais na vida daqueles que amamos e na nossa comunidade. ²

Nós já falamos sobre isso em nosso e-book sobre saúde mental, mas vale a pena reforçar: nem sempre percebemos, mas tudo em nossa vida passa primeiramente pela nossa percepção mental. As experiências que vivemos, as pessoas que conhecemos, as decisões que tomamos. Tudo é organizado na nossa mente, é ali que elaboramos nossas ideias, interpretamos nos pensamentos e sentimentos.

Esse contato com nossas impressões sobre nós e o mundo e as emoções que elas geram irão influenciar os nossos comportamentos, que por fim, nos trarão novas experiências. Positivas ou negativas.

Em resumo, é por meio do exercício da nossa mente que construímos nossa vida. Por isso, dar atenção a nossa saúde mental é olhar para nossas necessidades emocionais. E dessa forma, abrir espaço para uma vida mais consciente e mais leve. Saúde mental é importante porque é ali que nossa vida habita, porque ao cuidar da mente, também estaremos cuidando do nosso bem-estar físico e prevenindo o aparecimento de doenças no nosso corpo. 1

Por outro lado, quando estamos com as emoções desreguladas ou sob o controle do estresse, todas as áreas da nossa vida ficam mais difíceis de administrar. Vamos entender isso melhor a seguir:

1 minuto de stress requer 6 horas de recuperacao mental

Efeitos de um minuto de estresse permanecem no corpo por 6 horas

Passamos de um dia para o outro correndo, sem nos dar espaço para nos perceber e fazer a pergunta: como me sinto hoje? O tipo de sociedade na qual vivemos exige um ritmo de vida acelerado. Vivemos apagando incêndios e resolvendo um desafio atrás do outro. Então, os dias passam sem que a gente tenha tempo para respirar. Quase sempre sem perceber, o estresse se instala. ³

Mas será que você sabe exatamente o que estresse significa? E quanto tempo duram seus efeitos? Entenda:

Estresse não é a mesma coisa que emoções negativas

Hoje em dia a palavra se tornou tão comum que acabou ganhando vários significados. Por isso frequentemente tem sido confundida com emoções, nesse caso ao invés de dizer “estou brava”, “me sinto frustrada”, “preciso dormir melhor” ou “preciso de mais tempo para fazer as coisas que eu gosto” a pessoa acaba simplesmente dizendo: “estou estressada”. 4

Acontece que o estresse não é uma emoção, na verdade, pode até parecer estranho, mas o estresse é uma resposta natural do organismo. Ele é necessário pois alerta o corpo sobre possíveis ameaças ou riscos. O famoso mecanismo de “luta ou fuga” onde nosso corpo se prepara para correr ou enfrentar um combate.

 O problema é quando ele deixa de ser algo necessário e começa a atrapalhar nossa vida, causando sintomas desconfortáveis e até mesmo desencadeando doenças físicas. 5

Hormônios e estresse

Os hormônios do estresse, suas funções e efeitos

O principal hormônio do estresse que fica no sangue é a adrenalina. Ela pode nos ajudar na motivação e energia extra, por exemplo. Mas o excesso pode aumentar o risco do desenvolvimento de pressão alta, doenças cardiovasculares, além da maior chance de se adquirir doenças autoimunes, endócrinas, neurológicas e psiquiátricas. 3,6

O cortisol é outro hormônio liberado pelo corpo que nos ajuda a enfrentar situações de perigo. Este último, se é produzido com frequência, também pode afetar negativamente nosso organismo. É importante lembrar que entre as funções do cortisol estão: o controle da pressão arterial, a função cardiovascular, o rendimento do sistema imunológico e o metabolismo dos glicídios ou açúcar.

Esse hormônio desencadeia uma corrente de reações que vão permitir que em caso de fuga o organismo esteja pronto e tenha um nível de energia suficiente para enfrentar a situação. Nosso sangue fica cheio de substâncias para que nós possamos enfrentar situações fisicamente perigosas. Mas o estresse que nós vivemos não exige de nós luta física. Ele é principalmente psicológico, ou seja, essa produção hormonal extra nos ajuda em nada, já que geralmente, não precisamos fugir nem lutar. 3,4

Quando passamos por situações muito estressantes, como por exemplo uma briga, mesmo que ela dure apenas um minuto, nosso corpo já lançou esses hormônios em nossa corrente sanguínea. Isso irá alterar o nosso corpo durante seis horas. Mas se formos somando todos os minutos de estresse durante o dia, a semana e o mês, em pouco tempo, teremos um corpo “envenenado”, especialmente se não dermos tempo e oportunidades para corpo se limpar e se equilibrar.

Saúde Mental e Atividade Física

Como recuperar nosso corpo do estresse e ganhar mais saúde mental

Acabamos de descobrir nosso corpo produz hormônios que geram sensações de ansiedade. Essa ansiedade, por sua vez, pode se tornar persistente à medida que nosso sangue fica regularmente abastecido com essas substâncias que colocam nosso corpo em alerta.

Essa ansiedade pode gerar diversos problemas de saúde, tanto no nosso corpo, como as doenças que citamos ali em cima, quanto em nossa mente: são os distúrbios de ordem psiquiátrica como por exemplo os transtornos emocionais e doenças mentais.

Nós já falamos por aqui sobre alguns desses transtornos, como a depressão. Você pode ler mais sobre esse assunto clicando aqui.

Por ora, queremos nos concentrar nas iniciativas que irão contribuir para que esses desequilíbrios não se instalem, ou que pelo menos, nos ajude a aliviar os sintomas. Por isso reunimos algumas dicas que vão te ajudar a recuperar seu corpo do estresse e ganhar mais qualidade de vida, ao mesmo tempo em que vai te motivar a cuidar melhor da sua saúde mental:

Atividade física regular

O exercício físico contribui para o alívio do stress e promove o bem-estar físico e mental, isso acontece porque existe a liberação de hormônios como por exemplo a endorfina, que em níveis adequados, é responsável por melhorar o humor.

Algumas das atividades mais eficazes para tratamento da depressão incluem: 

  • Treinos de resistência;
  • Corrida;
  • Ciclismo;
  • Natação;

Mesmo que você não seja muito fã da academia, vale a pena começar, mesmo que com pequenos esforços, pois até mesmo um exercício leve já pode trazer grandes benefícios. Por exemplo, 200 minutos de caminhada por semana, mais ou menos meia hora por dia, já são suficientes para ajudar na recuperação da depressão. 7

Sono e saúde mental

Qualidade do sono e saúde mental

Quem dorme pouco está mais propenso a desenvolver doenças mentais e têm mais dificuldades de tratá-las. Fadiga, dificuldade de se concentrar e irritação são apenas algumas das respostas que o nosso corpo dá diante da privação do sono.

A qualidade do sono impacta diretamente nossa saúde física e mental. Um estudo comprovou que a privação de sono altera nossas reações emocionais. Nele, adultos saudáveis foram expostos a imagens positivas, negativas e neutras. Metade deles tinha dormido bem, a outra metade não havia pregado o olho a noite toda — as pupilas desse último grupo ficaram muito maiores ao olhar imagens negativas do que quando viram os outros tipos de imagens.

Ou seja, quando dormimos pouco exageramos nas nossas reações frente a situações negativas. Além de mais mal-humorados, a falta de sono pode nos deixar mais vulneráveis a ter doenças psiquiátricas desencadeadas por distúrbios do sono. A insônia, inclusive, é um sintoma comum em pacientes que sofrem de ansiedade, depressão, esquizofrenia, bipolaridade e distúrbios de atenção. 8

Por isso vale a pena investir numa rotina de regular de sono, que leve em conta uma quantidade adequada de horas de descanso (entre 7 e 9 horas). A qualidade também é importante, dormir em um ambiente escuro, tranquilo, silencioso em posição adequada e sempre com hora certa para se deitar e se levantar. Tudo isso irá te ajudar a ter uma noite de sono que revigora suas energias ao mesmo tempo em que contribui para sua saúde física e mental.

 

janeiro Branco: repense sua alimentação

 

Alimentação balanceada

A Associação Brasileira de Nutrição alerta: as emoções e a comida estão completamente relacionadas. Basta observar nossos próprios comportamentos, é muito provável que alguns de nós tenhamos feito uma visita à geladeira em momentos de ansiedade, enquanto outros podem ter passado longas horas sem se alimentar por conta de um momento de tristeza ou estresse.
O site complementa: “As doenças psiquiátricas, como a depressão e a esquizofrenia, não são muito diferentes da diabetes se olharmos as mudanças que ocorrem no organismo a um nível molecular. As pessoas com diabetes e com depressão se encontram em um estado de inflamação sistêmica leve, mas crônica”.
Também vale a pena mencionar que as pessoas que seguem dietas ricas em verduras, frutas, grãos sem processar, peixes e mariscos, que contêm poucas quantidades de carnes magras e laticínios, têm risco de depressão de 25% a 35% mais baixo.

Enquanto isso, a falta de hidratação, o consumo de álcool, de cafeína e o hábito de fumar podem precipitar e estimular os sintomas de ansiedade. Os picos altos de açúcar ainda gerar sintomas parecidos com os de uma crise de ansiedade e até de um ataque de pânico.

Outra questão para ficar alerta são os períodos prolongados de jejum, em que a diminuição dos níveis de açúcar no sangue pode simular sintomas de depressão. 9
O acompanhamento de um nutricionista pode ser uma grande aliado na busca pela melhora da saúde mental, pois esse profissional irá avaliar seu quadro clínico, seus sintomas e planejar um programa alimentar que atenda às suas necessidades individuais.

Visitas regulares ao médico

Visitas regulares ao médico são sempre a melhor forma de prevenir o aparecimento de doenças, sejam elas de ordem física ou mental. Se os primeiros sintomas já estiverem aparecendo então, uma consulta é fundamental para avaliar o quadro e iniciar o tratamento precoce.

Em alguns casos, por exemplo naqueles em que os sintomas são mais severos ou já evoluíram para um transtorno que atrapalha o bem-estar, pode ser necessário a administração de medicamentos que irão auxiliar no tratamento e na melhora da qualidade de vida.

Meditação e Yoga para saúde mental

A prática de yoga aumenta a atividade de alguns neurotransmissores responsáveis por reduzir nossos níveis de ansiedade e de estresse. Fazer yoga é ótimo para quem tem estresse pós-traumático também, pois a atividade reduz a intensidade dos sintomas do transtorno. 7

Autoconhecimento

Quando conhecemos nossas vulnerabilidades, a maneira como funcionamos e os gatilhos que prejudicam nossa saúde mental, fica mais fácil lidar com nossas questões emocionais. Você pode experimentar a psicoterapia para que tenha a oportunidade de olhar para si de um outro ponto de vista, além de se sentir mais seguro e acolhido para lidar com os problemas que enfrenta no dia-a-dia.

Todas essas iniciativas irão contribuir para uma mente mais saudável, porque vão te trazer mais equilíbrio, bem-estar e harmonia. Se você gostou dessa leitura e quer aprender mais sobre saúde mental, fique atento aos nossos próximos posts sobre o tema!


Colaborou neste artigo:
Dr. Michel Haddad
CRM-SP 145096 / Especialidade: Psiquiatria


Referências bibliográficas e datas de acesso

1 – Janeiro Branco acesso em 09/12/2019

2 – Nações Unidas acesso em 09/12/2019

3 – Gazeta Web – Globo – acesso em 13/12/2019

4 – Notícias UOL – acesso em 13/12/2019

5 – Minuto Saudável – acesso em 13/12/2019

6 – Tua Saúde – acesso em 13/12/2019

7 – Mega Curioso – acesso em 14/09/2019

8 – Super Interessante  – acesso em 14/09/2019

9 – Associação Brasileira de Nutrição – acesso em 14/02/2019