Pré-hipertensão: será possível revertê-la?

pré-hipertensão

Apesar de ainda ser muito popular e utilizado até mesmo por alguns profissionais de saúde, o termo “pré-hipertensão”, na verdade, não é mais utilizado. Atualmente, o que era chamado de pré-hipertensão se chama pressão elevada. 1

Ainda assim, quando falamos em pré-hipertensão, nos referimos a um sinal de alerta para mudar os hábitos a fim de fugir da hipertensão, doença que atinge milhões de pessoas por todo o Brasil. A hipertensão é perigosa pois aumenta e muito o risco de a pessoa sofrer com problemas como ataque cardíaco, derrame, doença coronariana, insuficiência cardíaca e insuficiência renal, por exemplo. 2

A hipertensão é uma doença crônica e que não tem cura, mas e a pressão elevada (pré-hipertensão)? Será que é possível revertê-la? Continue a leitura para descobrir isso e muito mais.

O que é a pressão arterial

Antes de mais nada, precisamos entender o que é a pressão arterial e quais os seus níveis ideais:

  • Pressão arterial é o nome que damos para os valores que medem a força que o sangue faz contra as paredes das artérias para conseguir circular por todo o corpo.
  • É normal que os valores da pressão arterial variem durante o dia, a depender do tipo de atividade que estamos fazendo. Por exemplo, quando estamos em repouso, o esperado é que esses números estejam mais baixos do que se comparados aos momentos em que estamos em movimento.
  • A pressão arterial considerada ideal é abaixo ou igual a 12 por 8 na maior parte do tempo, exceto durante a prática de exercícios físicos mais intensos, ou quando estamos sob estresse, momentos em que o coração naturalmente bate mais forte. 1

O que é a hipertensão

Sabendo que o ideal é a pressão arterial que se encontra abaixo ou igual a 120 por 80 (conhecida como 12 por 8), considera-se hipertenso aquele que que tem sua pressão arterial maior ou igual a 140 por 90 na maior parte do tempo, inclusive quando a pessoa encontra-se de repouso.

O risco de desenvolver problemas como infarto, insuficiência renal e cardíaca e acidente vascular cerebral (AVC) é aumentado devido ao esforço extra que o coração da pessoa hipertensa precisa fazer para que o sangue seja distribuído corretamente pelo corpo. Mas muita calma nessa hora! Apesar de não ter cura, a hipertensão tem tratamento, o que ajuda a prevenir que esse tipo de complicação ocorra.

Vale citar que, na maioria dos casos, a hipertensão por si só não manifesta sintomas, exceto quando já está em um estágio mais avançado e de difícil controle. Por isso, fazer exames de rotina é indispensável, assim é possível descobrir cedo a condição e então tomar as medidas necessárias para manter a pressão arterial sob controle e evitar problemas mais graves.

Fonte: Envato – Foto de Garakta-Studio

O que é a pressão elevada (pré-hipertensão)

Pressão elevada é como chamamos a condição em que a pessoa tem a pressão entre 121 por 81 a 139 por 89 na maior parte do tempo. Em resumo, é quando a pressão arterial não está dentro do esperado, mas ainda não é alta o suficiente para caracterizar-se como hipertensão. É sim um sinal de alerta que não deve ser negligenciado, pois indica que existe uma probabilidade alta de a pessoa ter hipertensão em um futuro não muito distante.

Por sorte, diferente da hipertensão, a pressão elevada pode ser revertida através da mudança de estilo de vida e dos hábitos alimentares. Se esse é o seu caso, saiba que você está em uma corrida contra o tempo, então não perca tempo e comece a agir imediatamente para evitar a hipertensão e suas complicações graves.

Como saber se é pressão elevada (pré-hipertensão)

O simples fato de ter a pressão arterial entre 121 por 81 a 139 por 89 em uma aferição não significa que a pessoa está a um passo da hipertensão. Como dissemos anteriormente, é normal que a pressão suba em determinadas situações.

Para saber se isso está acontecendo de fato, é preciso fazer exames como o MAPA (Monitoramento Ambulatorial de Pressão Arterial). O exame consiste em conectar um equipamento que fica ligado ao braço do paciente por aproximadamente 24 horas, monitorando a medição da pressão em determinados momentos do dia. Esse é o mesmo exame utilizado no diagnóstico de hipertensão.

Pressão elevada (pré-hipertensão): o que fazer

Antes de mais nada, siga as orientações médicas à risca. Em alguns casos, é necessário tomar medicamentos específicos para controlar a pressão arterial. Se esse for o caso, siga o tratamento conforme orientado pelo médico. Além disso, quando o paciente tem a pressão elevada, é preciso tomar atitudes para mudar o estilo de vida. Isso é essencial para fugir da hipertensão.

Certamente, mudar hábitos que fazem parte do dia a dia há anos não é fácil, mas saiba que não é impossível. Confira o que fazer para reverter a pressão elevada:

Investigue se existem outros problemas de saúde

Ao descobrir a pressão elevada, é indispensável fazer mais exames para saber se existem outros sinais de alerta. A pressão elevada está muitas vezes associada com a pré-diabetes, diabetes tipo 2, colesterol alto e obesidade. É importante saber se essas complicações também estão presentes para que o médico possa prescrever o tratamento mais adequado para cada uma delas, o que vai colaborar para tratar a pressão elevada em si.

Mude os hábitos alimentares

A alimentação balanceada é um ponto crucial para o combate à hipertensão. Estamos cada vez mais acostumados a ingerir alimentos industrializados que matam a fome mas não nutrem o organismo de forma adequada, e isso é um problema. Evite os alimentos ultraprocessados, como caldos de carne ou de legumes e temperos prontos em geral, molho de soja, molho inglês, sopas em pó, macarrão instantâneo, carnes processadas como linguiça, salsicha, bacon e salame, salgadinhos, etc. Esses alimentos têm altas concentrações de sódio, o maior inimigo da pressão arterial.

Além de reduzir significativamente o sal nos preparos, procure substituir os alimentos refinados por aqueles que são integrais. Outro ponto importante é dar preferência para os alimentos que chamamos de “comida de verdade”, ou seja, alimentos de origem natural.

De acordo com o Guia Alimentar para a População Brasileira, elaborado pelo Ministério da Saúde, o segredo está em optar por alimentos in natura ou minimamente processados. 3 É claro, esse não é um guia definitivo e universal. Afinal, diversos outros fatores interferem na hora de escolher os alimentos que serão preparados, então siga sempre a recomendação do médico e do nutricionista.

Agora, se você quer saber por onde começar, confira alguns dos alimentos indicados para controlar a pressão arterial elevada e também quais alimentos evitar:

  • Alimentos indicados: frutas, legumes, verduras, carnes magras como peixe e frango, grãos integrais como arroz, aveia, grão-de-bico e feijão.
  • Alimentos a evitar: além dos alimentos ricos em sódio, que citamos anteriormente, evite também alimentos ricos em cafeína, como café e chá verde, bebidas alcoólicas e alimentos ricos em gordura, como carnes vermelhas, frituras, pizzas e queijos amarelos. 4

Abandone o sedentarismo

Os exercícios físicos são essenciais para controlar a pressão arterial. Os mais indicados por terem sido amplamente estudados são os aeróbicos, como caminhada, corrida, ciclismo, natação, entre outros.

O ideal é começar praticando 30 minutos de exercícios pelo menos 3 vezes por semana, de forma moderada5 Vá aumentando a intensidade, o tempo e a frequência conforme sua resistência for aumentando, de preferência com supervisão profissional. Respeite os limites do seu corpo e vá com calma.

Fonte: Envato – Foto de DC_Studio

Deixe os vícios para trás

O abuso de substâncias como o álcool, o cigarro e outras drogas têm impacto direto na pressão arterial. Esses hábitos são fatores de risco para hipertensão, inclusive para pessoas com a pressão arterial normal. No entanto, quem está com a pressão elevada ou tem hipertensão, o risco de complicações relacionadas a essas substâncias é ainda maior. 6

Procure ajuda com profissionais qualificados

O acompanhamento e tratamento médico é o primeiro passo, mas não é o único. Muitos outros profissionais podem colaborar e muito no controle da pressão arterial. Confira os principais deles:

Nutricionista

Esse tipo de profissional colabora orientando a pessoa durante a mudança dos hábitos alimentares de forma saudável e efetiva. Levando em consideração todas as necessidades do paciente quanto a saúde de um modo geral, o nutricionista elabora cardápios que garantam uma nutrição equilibrada. O objetivo não é embarcar em dietas super restritivas, muito menos passar fome, mas sim em investir em alimentos que colaboram com as necessidades de cada organismo, além de controlar a ingestão daqueles alimentos que colaboram para o desenvolvimento da pressão alta.

Educador Físico

São profissionais encontrados nas academias de musculação, natação, artes marciais ou ainda que atendem de forma particular como personal trainers, entre outros. Eles facilitam a inserção dos exercícios físicos na rotina de forma segura e de acordo com os limites físicos de cada um.

A orientação desses profissionais é muito importante, principalmente para pessoas com alterações na pressão arterial e outras complicações como diabetes e obesidade. Isso porque são capacitados para orientar essas pessoas a praticar exercícios específicos para beneficiar cada uma dessas condições sem colocar em risco a saúde da pessoa.

O atendimento psicológico é essencial, principalmente para pessoas que estejam enfrentando dificuldades para colocar em prática as mudanças que são essenciais para reverter a pressão elevada.

A abordagem da psicologia chamada de terapia cognitivo-comportamental é muito indicada para ajudar nesses casos. Ela é capaz de auxiliar o paciente a conseguir mudar hábitos que estejam muito enraizados, como a alimentação pouco saudável, compulsão alimentar, sedentarismo e vícios como tabagismo ou alcoolismo, por exemplo.

**

Gostou das dicas para combater a pressão elevada (pré-hipertensão)? Então nos acompanhe nas redes sociais Instagram e Facebook e fique ligado em muitos outros conteúdos relevantes sobre saúde e bem estar.

Obrigada pela leitura, e até logo!


Referências e datas de acesso:

1- Veja Saúde – Acesso em 24/07/2021.

2- Web MD – Acesso em 24/07/2021.

3- Saúde Brasil – Acesso em 24/07/2021.

4- Tua Saúde – Acesso em 24/07/2021.

5- Veja Saúde – Acesso em 24/07/2021.

6- Pfizer – Acesso em 24/07/2021.


Colaborou com este artigo: 

Dr.Thiago Cavenaghi Castanheira –
CRM 184.643