O que é pé diabético? Saiba como tratar o problema

O QUE É PÉ DIABÉTICO

Existem muitos problemas que podem acontecer com quem tem diabetes, doença que afeta, aproximadamente, 6% dos brasileiros. Hoje nós vamos falar sobre o que é o pé diabético, que é um desses problemas que pode trazer consequências incuráveis. ¹

A expressão pé diabético se refere às alterações no interior e no exterior dos pés de quem tem diabetes. Esse problema, se não tratado corretamente, toma a forma de úlceras e vira caso de internação e cirurgia. Essas úlceras podem levar até a necessidade de amputação do pé do paciente, algo que acontece com certa frequência quando a pessoa não recebe tratamento.

E, por isso, hoje nós trazemos diversas informações que serão de grande utilidade à prevenção e à diminuição dos riscos do pé diabético. A partir daqui, você vai saber mais sobre esse problema e como quais as formas mais adequadas de cuidar.

Diabetes

O problema da diabetes

Mas antes de explicarmos o que é pé diabético, vamos falar um pouco sobre o diabetes. Diabetes é doença que surge quando a insulina que o corpo produz não é suficiente, ou quando o pâncreas para de vez de produzir insulina.

A insulina é um hormônio importante para transformar a glicose do sangue em energia, para que ela seja usada por todas as células do nosso corpo. Por isso, quando a insulina é pouca ou ausente, o açúcar que deveria se transformar em energia acaba caindo na corrente sanguínea. ²

Quando em condições normais, o paciente diabético tem uma vida tranquila, sem nenhum impedimento a não ser as restrições alimentares. Mas precisamos estar atentos ao fato de que a diabetes é uma condição que torna mais fácil o surgimento de outras doenças, por isso, a pessoa pode ficar mais vulnerável. É só lembrarmos como os diabéticos foram destacados como um dos maiores grupos de risco durante a pandemia de Covid-19.

O diabetes ainda não tem cura, mas ele pode ser controlado. O que o paciente precisa fazer é, sobretudo, manter os níveis ideais de glicemia. Isso pode ser feito, então, através de uma alimentação regrada e geralmente com algumas restrições, a prática de atividades físicas, medicação adequada, consultas ao médico com frequência e outros hábitos saudáveis. ²

Além disso, os pés precisam de atenção especial. Mas por que os pés? Entenda:

pé diabetico o que fazer
Foto: Pexels

Pé diabético, o que é isso?

Quem é diabético precisa, invariavelmente, olhar a situação dos seus pés todos os dias. Isso é necessário porque os sintomas de pé diabético não acontecem somente por conta de um ferimento causado por fatores externos. Esse problema pode dar sinais bem antes. Por isso, repare se os seus pés: 3,4

  • Apresentam formigamentos.
  • Estão com a pele numa coloração diferente da normal.
  • Parecem mais quentes ou mais frios do que a temperatura ambiente.
  • Estão inflamados ou infeccionados, principalmente depois de algum ferimento, mesmo os bem pequenos.
  • Parecem queimar.
  • Parecem estar mudando de formato, ou deformados.

Todos esses são possíveis sinais de pé diabético, o que é bem preocupante. Portanto, fique atento! Não espere perceber que o pé diabético está acontecendo já no seu estágio avançado.

cuidados com o pé diabético

Cuidados e prevenções com o pé diabético

Além dessa autoavaliação diária que precisa ser feita, existem outros cuidados que ajudam a prevenir o aparecimento do pé diabético. 4

  • Avalie seus pés num lugar iluminado, tocando cada parte deles. Se você não conseguir alcançar os seus pés, peça a ajuda a alguém próximo.
  • Fique atento à presença de frieiras, calos, rachaduras, cortes e alterações de cor. Então, utilize um espelho para ter uma visão completa dos pés.
  • Tenha sempre os pés limpos. Na hora de lavá-los, prefira água morna em vez de quente.
  • Mantenha sempre a pele dos pés hidratadas. Por isso, se for utilizar um creme, lembre-se de passar também nas unhas e entre os dedos.
  • Utilize sempre toalhas macias, evitando, assim, que elas causem atrito na pele.
  • Escolha meias sem costura e de algodão, pois elas absorvem melhor a umidade.
  • Independente de onde você estiver, mantenha sempre os pés protegidos. Portanto, nada de andar descalço por aí.
  • Ao tomar banho, enxugue bem os pés e deixe-os bem ventilados;

Diabetes: cuidados com as unhas

Mais dicas: até o corte da unha pode evitar o pé diabético

Cortar as unhas pode ser um momento delicado e perigoso, já que um mínimo deslize pode provocar um corte. Por isso, sempre utilize alicates apropriados ou mesmo tesouras de pontas arredondadas. É melhor que a forma do corte seja sempre quadrada, mas com as laterais aparadas um pouco curvadas. Prefira usar sempre seus próprios cortadores. 4

Tirar a cutícula também pode ser um pouco arriscado, já que numa região bem sensível, e é também onde acontecem mais cortes, que abrem portas para a entrada de germes. Aliás, em vez de ir à manicure, recomendamos, para os diabéticos, um podólogo. Mas não se esqueça de informar ao profissional que você é diabético. E mais: não utilize lixas e nem corte os calos. Se um calo aparecer, consulte um médico para, só então, entender quais são os motivos do aparecimento. 4

Dicas para sapatos: diabetes

Como escolher bem os calçados

A escolha dos calçados na prevenção do pé diabético também é muito importante. Eles devem ser, de preferência fechados, ventilados e bem confortáveis. Por isso, não compre à distância, pela internet ou de outras pessoas, sem experimentar antes. Qualquer pequena deformação no calçado pode causar lesões aos seus pés. 4

As mulheres, que normalmente gostam de usar sapatos com salto, devem evitar saltos com mais de 3 centímetros de altura. Preste atenção também nos materiais. Calçados muito sintéticos, como os feitos de couro ou de plástico, por exemplo, não são recomendados, pois podem causar ferimentos por causa da fricção da pele. 4

Quando você comprar algum calçado novo, evite utilizá-los por mais do que 1 hora por dia, até que eles já estejam amaciados e adaptados à forma dos seus pés. A questão, aqui, é evitar a pressão nos nervos. 4

O seu médico também pode ajudar indicando sapatos ortopédicos pensados especialmente para as necessidades de alguém que é diabético.

Como tratar o pé diabético?

Como dissemos no início do texto, um pé diabético não tratado pode levar  complicações bem grandes. Em alguns casos, pode ocorrer até a amputação, de tão grave o estado do membro. Por isso, aos primeiros sinais e, claro, com a confirmação do médico de que você desenvolveu o pé diabético, você tem algumas opções de tratamento. 5

  • Utilize remédios antibióticos prescritos pelo médico  para evitar o efeito das bactérias no seu organismo.
  • Passe pomadas que atuem impedindo os efeitos dos micróbios na região afetada. Peça ao médico para indicar qual é a melhor para o seu caso.
  • Não se esqueça que o controle da diabetes é, sem dúvida, extremamente importante. Atualize todo o seu cardápio de acordo com o que o médico lhe disser e evite ao máximo ceder às vontades. Muito mais vale a sua saúde do que aquela vontade inevitável de comer um doce ou tomar um refrigerante. Essa dica vale não apenas para os pés como para todos os outros efeitos das diabetes.
  • Além disso, seja bem rigoroso na aplicação de insulina e na ingestão dos medicamentos que você já deve utilizar para controlar a doença.
  • Se tiver alguma ferida nos pés ou na região da perna mais próxima da base, seja bastante higiênico com o machucado e troque os curativos todos os dias.
  • A dica anterior também vale para os machucados, nesse caso é bom evitar os calçados fechados e sem ventilação.
  • Ajude seu sangue a circular. Então nunca deixe sua perna parada na mesma posição por muito tempo.

Casos graves de pé diabético

Casos graves de pé diabético

O pé diabético é, atualmente, a principal causa de internação de pacientes com complicações da diabetes. Até 2030, o número estimado de casos é de mais de 137 milhões de pessoas no mundo com comprometimento significativo ou grave nos pés. No mundo todo, ocorrem 2 amputações por minuto e quase todas são precedidas por úlceras. 6

O grande problema dessas úlceras diabéticas é que elas são muito resistentes e têm difícil cicatrização. Mas elas não acontecem do nada. Elas são resultado da falta de cuidado desde o início. Por isso, não menospreze o impacto dos cuidados simples que citamos anteriormente. 6

Vale lembrar que o custo disso é muito alto. Tanto financeiramente, pois passa por todo o aparato cirúrgico, quanto socialmente. Com um dos membros amputados, o paciente torna-se deficiente físico e precisa lidar com todos os desafios que certamente surgirão depois. Além disso, complicações na cirurgia de amputação podem até levar à morte. 6

Portanto, faça seus exames regularmente, pelo menos a cada seis meses. Não deixe de informar ao médico cada pequena coisa que aparecer no seu corpo, não apenas nos pés. Isso pode fazer a diferença na sua vida.

Banner - eBook Diabetes (1)

Cuide-se!

Diabetes é uma doença perigosa. Quem já é diabético, deve fazer o possível para se cuidar. Quem não é, deve ficar atento ao que pode levar ao desenvolvimento da doença. É por isso que, aqui no nosso blog, trazemos sempre as melhores dicas de saúde e bem estar, afinal, nos preocupamos com você em todos os aspectos.

Que tal, então, compartilhar esse artigo com alguém que pode estar precisando? Suas redes sociais também podem ser usadas para levar informação de qualidade e que ajudem a sua comunidade. Falando nisso, você já conhece o nosso Facebook e o nosso Instagram? Estamos esperando você lá para trocar conhecimento.

Até mais!


Colaborou com esse artigo:

Dr. Ricardo Hideki Nozuma.

CRM: 108088.

Medicina & Estetica 4 seasons.


Referências bibliográficas e a data de acesso:

1. Novartis – 12/12/2020

2. Minha Vida – 12/12/2020

3. Minha Vida – 12/12/2020

4. Ministério da Saúde – 12/12/2020

5. Hospital São Matheus – 12/12/2020

6. Sociedade Brasileira de Diabetes – 12/12/2020