Infecção urinária de repetição: o que é e 12 dicas de prevenção

Infecção urinária recorrente é mais comum em mulheres

Ardor e urgência para urinar são sintomas muito desconfortáveis, não é? Mas já imaginou ter esses sintomas repetidas vezes? É a chamada infecção urinária de repetição ou, como também é chamada, infecção urinária recorrente.

Problema muito comum, as infecções do trato urinário podem parecer algo simples, mas sem os devidos cuidados podem se complicar. Por isso, elas são o nosso tema de hoje, com especial atenção à infecção urinária de repetição, você saberia o porquê de ela acontecer? Continue a leitura e descubra!

Infecções do trato urinário ¹

A infecção do trato urinário, ou infecção urinária como é mais conhecida, é uma infecção geralmente de origem bacteriana. Ela afeta uma ou mais órgãos do trato urinário: rins, bexiga, ureteres (tubos que vão dos rins à bexiga) e a uretra (o tubo que leva a urina da bexiga para fora do corpo).

Ardência ao urinar é sintoma de infecção

Quando se fala em infecções do trato urinário é possível que muita gente não saiba, mas existem classificações de acordo com o órgão atingido pela infecção. Assim, quando ela ocorre nos rins (pielonefrite) classifica-se em infecção do trato urinário superior. Mas quando afetam a bexiga (cistite), uretra (uretrite) e próstata (prostatite) são classificadas como infecções do trato urinário inferior.

Na prática, sabemos que identificar a localização da infecção não é algo simples, sendo ainda mais difícil nas crianças. Além disso, em geral, no trato urinário as infecções podem espalhar, indo, então, de uma área para outra.

Causas das infecções no trato urinário ²

De maneira geral, as infecções urinárias ocorrem quando bactérias entram no trato urinário e se multiplicar em alguma de suas estruturas (uretra, bexiga, rim etc.).

Tratando dessa forma, pode parecer algo comum ou até corriqueiro, mas a verdade é o sistema urinário tem vários mecanismos de defesa. Acontece que a infecção acontece somente quando a bactéria supera essas defesas. Logo, não é algo simples de acontecer.

No entanto, quando acontece, as bactérias podem se multiplicar. O que se não for devidamente reconhecida e tratada pode se disseminar para todo o trato urinário e mesmo para todo o organismo (o que chamamos de sepse ou infecção generalizada).

Fatores de risco para infecções do trato urinário 3, 4

Dentre os principais fatores de risco para infecção urinária está o sexo. Cerca de 30% das mulheres vão apresentar na vida infecção urinária leve ou grave. Por isso, a mulher tem 50 vezes mais chance de ter o problema do que o homem.

A infecção urinária é um problema muito comum

Fatores de risco para infecção urinária em mulheres

Uma das explicações está na anatomia. Nas mulheres, a uretra é mais curta e fica mais próxima ao ânus, o que eleva as chances de se contrair uma infecção. Mas, existem outros fatores de risco envolvidos, vamos conhecê-los:

Lista dos fatores de risco para infecção urinária em mulheres

  • Anatomia feminina: a uretra da mulher é curta, tem de 4 a 5 centímetros, o que favorece que as bactérias cheguem à bexiga.
  • Histórico materno: por exemplo se há um histórico materno de infecção urinária de repetição, a probabilidade de que a filha tenha alguns episódios do problema durante a vida é maior.
  • Relações sexuais: durante o ato sexual, dado a uretra pequena na mulher, é possível que bactérias migrem para dado atrito e microtraumas próximo região da uretra. Tanto que existe a chamada “cistite da lua de mel”, infecção urinaria que pode acontecer depois da relação sexual. Uma das formas de prevenção é urinar após relação sexual.
  • Gravidez: durante a gestação, o fluxo de urina tende a se acumular em função do aumento do útero, que passa a comprimir o aparelho urinário. Outrossim, lesões/distensões de musculaturas e estruturas da pelve feminina durante o parto vaginal podem dificultar o controle urinário e alterar anatomicamente a bexiga, favorecendo a ocorrência de infecções.
  • Menopausa: nesse período há a diminuição do estrogênio, que tem como uma de suas consequências a predisposição à infecção urinaria, inclusive de repetição, isso porque a falta de estrogênio altera a flora vaginal, a qualidade do tecido da vagina e da uretra, facilitando a entrada e proliferação das bactérias.
  • Uso de fraldas: o uso frequente de fraldas geriátricas por mulheres idosas que sofrem com incontinência urinária causa o abafamento da região vaginal que, por ser naturalmente úmida, se contar com a presença de urina se torna um ambiente favorável para a proliferação de bactérias. Além disso, a idade avançada torna a predisposição ainda maior já que a imunidade pode estar mais baixa.

Fatores de risco para infecção urinária em homens 5

No homem, em que a ocorrência é bem menos significativa do que nas mulheres, a maior parte das infecções urinárias tem como fator de risco a pouca ingestão de água (também causa extremamente frequente nas mulheres)  ou a prisão de ventre.

Problemas anatômicos no sistema urinário pode estar relacionado à infecção urinária em homens

Ainda no caso dos homens, a infecção urinária de repetição costuma estar associada a alguma alteração na anatomia do trato urinário, como aumento da próstata (HPB), obstrução do ureter ou estenoses (apertos) na uretra. Não é esperado que um homem saudável tenha infecções recorrentes. Além disso, a prática de sexo sem o uso de preservativo aumenta as chances de contaminação por bactérias que podem causar infecção.

Outros fatores de risco associados 6, 7

Além do sexo e dos demais fatores mencionados, há ainda outros que se associam ao problema em todas as idades, independente do paciente ser homem ou mulher, eles são:

  • Pouca ingestão de água: a formação de urina é determinada pela quantidade de líquidos ingerida. Logo, quando se bebe pouca água, há pouca formação de urina. O fluxo de urina contínuo auxilia a limpeza das paredes da bexiga e da uretra, eliminando, assim, possíveis bactérias. Fator esse muito associado à formação de cálculos urinários, talvez seja o mais frequente e mais fácil de ser mudado.
  • Segurar a urina por longos períodos: o hábito de segurar a urina em função da correria do cotidiano favorece a proliferação de bactérias na bexiga e aumenta as chances de elas migrarem para a uretra. Assim, aumenta a possibilidade de infecção urinária.
  • Baixa imunidade: ter o sistema imunológico suprimido impede que as defesas do corpo atuem propriamente, facilitando a entrada de bactérias que causam infecções.
  • Uso de cateter: o uso de cateter para urinar também aumenta os riscos de infecção.
  • Bloqueios: apresentar algum tipo de bloqueio no trato urinário, como pedra nos rins, por exemplo, também é um fator de risco.

Infecção urinária de repetição 7

Para classificar um paciente como tendo infecção urinária de repetição ou infecção urinária recorrente, é preciso que ele ou ela apresentem dois ou mais episódios de infecção em um intervalo de 6 meses, ou 3 ou mais infecções no intervalo de 1 ano.

Embora raro, homens também podem ser infecção urinária de repetição

A infecção urinária de repetição é comum nas mulheres e não costuma estar relacionado a nenhum problema anatômico no trato urinário. Por outro lado, nos homens, como já dissemos, a infecção urinária é um evento raro e quando ocorre com frequência, quase sempre é em função de algum problema na anatomia das vias urinárias.

Infecção urinária exige tratamento imediato 8

Mesmo parecendo algo “simples”, quando não tratada, a infecção urinária pode evoluir e levar a sérias complicações. Por isso, é fundamental buscar ajuda médica logo nos primeiros sintomas e nunca se automedicar.

A principal complicação da infecção urinária é a pielonefrite (quando a infecção afeta os rins). Condição que pode evoluir para um quadro de sepse, que é quando uma infecção que se espalha rapidamente pelo corpo se não tratada adequadamente, pode haver a necessidade de internação, muitas vezes em unidades de terapia intensiva.

Dicas para prevenir as infecções urinárias 9

A mudança dos hábitos pode ajudar e muito a prevenir quadros de infecção urinária, e é parte importante do tratamento dos pacientes que apresentam quadros de repetição, ajudando, assim, a evitar novos episódios infecciosos. Vamos ver algumas dicas de como prevenir as infecções urinárias que valem para ambos os sexos:

  1. Hidrate-se: beber água ajuda a manter a urina mais diluída e faz com que tenhamos a necessidade de urinar com mais frequência, ajudando a expelir bactérias que estejam no trato urinário.
  2. Não segure a urina por muito tempo: evite ficar mais que 4 horas sem urinar. A urina parada na bexiga facilita a proliferação de bactérias.

Dicas para prevenir a infecção urinária em mulheres

  1. Sempre passar o papel higiênico de frente para trás: objetivo é não arrastar bactérias da região anal em direção à vaginal.
  2. Evite uma higiene íntima excessiva: as infecções podem ser provocadas por maus hábitos de higiene, mas também por excesso de higiene.
  3. Evite banhos de banheira: a água da banheira torna-se rapidamente povoada por bactérias da região do períneo. Ficar muito tempo sentada, há um risco maior de elas migrarem para a região ao redor da uretra.
  4. Evite ducha vaginal: o banho de chuveiro é o mais indicado, porém, não direcione a ducha em direção à vagina uma vez que, além de não ajudar na higiene íntima, esse hábito facilita a migração de bactérias.
  5. Não use produtos químicos na região íntima: produtos químicos, como perfumes, desodorantes ou talcos, por exemplo, não devem ser usados nas partes íntimas pois podem provocar irritação, o que ajuda na aderência de bactérias.
  6. Troque o absorvente íntimo com frequência: não deixe o seu absorvente íntimo ficar cheio por muito tempo, principalmente se for um absorvente externo, que pode deixar a pele ao redor da uretra úmida e com sangue.
  7. Urine depois das relações sexuais: embora não seja sexualmente transmissível, é fato que o atrito do ato sexual pode levar à irritação da região genital e ajudar a espalhar as bactérias do períneo. O ato de urinar ao fim de cada relação ajuda a “lavar” a uretra, empurrando as bactérias para fora.
  8. Use roupas de algodão ou tecidos leves: dê preferência ao uso de roupas íntimas leves de modo a não deixar a região genital muito úmida pelo suor. A pele úmida e fechada por muito tempo debaixo de roupas que não permitem a circulação do ar favorece a proliferação de bactérias.
  9. Nunca faça uso de antibióticos sem recomendação médica: pois isso pode alterar a composição normal da flora bacteriana vaginal, facilitando infecções ginecológicas, como candidíase, ou infecção urinária.

Gostou desse texto? Acompanhe a Supera e compartilhe esse artigo, assim você ajuda a levar mais informação e saúde para as pessoas a sua volta!


Colaborou com esse artigo:

Dr. Leonardo Ruffing

Infectologista – CRM/SP 129537


Referências bibliográficas e datas de acesso

1 – MSD Manual – 27/07/2020

2 – Minha vida – 27/07/2020

3 – Programa Saúde Ativa – 27/07/2020

4 – Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro – 27/07/2020

5 – Instituto Lado a Lado pela Vida – 27/07/2020

6 – Minha vida – 28/07/2020

7 – MD Saúde – 28/07/2020 

8 – Hospital de Caridade – 28/07/2020

9 – MD Saúde – 28/07/2020