Tipos de parto: quais as opções e o que levar no dia do parto

Como você provavelmente já sabe, existem diversos tipos de parto. Acontece que com o passar dos anos e as constantes inovações no mundo obstétrico, a tendência é que a quantidade de opções aumente ainda mais! Isso é ótimo, mas pode gerar inúmeras dúvidas durante a gravidez, não é?

Mas fique tranquila, pois hoje vamos falar dos principais tipos de parto, explicando quais as vantagens e indicações de cada um. E mais! Nós também vamos te orientar sobre o que levar para a maternidade nesse dia tão esperado. Aproveite a leitura!

Tipos de parto, existe um que seja melhor que os outros? ¹

Essa é uma pergunta comum entre as mulheres. E a resposta é: não! Não existe o melhor tipo de parto. Existe apenas o melhor para você e para o seu bebê. Ou seja, o seu parto pode vir a ser muito diferente do que foi o melhor para a sua mãe ou para a sua amiga, por exemplo.

Em razão disso, é muito importante ter um bom acompanhamento médico pré-natal durante a gravidez. Afinal, é nesse período que a mulher poderá tirar as dúvidas sobre seu corpo e o desenvolvimento do bebê. É também durante o pré-natal que a mãe, com orientação do seu médico, vai escolher o tipo de parto.

Mas qual é o mais apropriado? Pode-se escolher qualquer tipo, independente das condições de saúde, físicas ou mesmo emocionais?

Saúde da mãe e do bebê e a vontade da gestante devem ser considerados.

A resposta a essa pergunta é algo muito particular. Uma vez que são vários os fatores que podem influenciar na indicação médica de um tipo de parto ao invés de outro. Contudo, é importante que a mulher saiba que a sua vontade é algo que deve ser considerado e respeitado. Assim, a decisão por um tipo de parto ou outro deve ser uma junção entre a avaliação médica das condições de saúde da mãe e do bebê aliada à vontade dessa mãe.

Classificação dos tipos de parto ²

Em termos de classificação existem dois tipos de parto: o parto cirúrgico (também chamado de cesárea ou cesariana) e o parto vaginal (ou natural).

Os partos vaginais podem ser diferenciados em partos vaginais cirúrgicos, realizados normalmente nos hospitais com intervenções médicas como anestesia, aplicação de ocitocina (hormônio sintético que induz as contrações uterinas), uso de fórceps etc.; e os partos vaginais naturais, aqueles que ocorrem quase sem intervenções ou apenas se necessárias.

Parto cirúrgico (cesariana) ³

O parto por cesariana é aquele realizado por meio de uma incisão feita no abdômen e no útero da mãe. Esse tipo de parto é recomendado quando o médico acredita que ele é mais seguro do que o parto normal, principalmente nas situações de emergência onde o tempo é crucial para sobrevivência da mãe ou do bebê, ou quando a posição do bebê não é favorável à saída pela vagina.A cesariana pode ser feita com corte horizontal ou vertical.

Ou seja, o parto por cesariana é indicado em situações como quando o bebê se encontra sentado, por exemplo. Outra indicação comum é quando a mãe já realizou outra cesárea recente, ou também quando o cordão umbilical se enrola no pescoço do bebê.

Partos vaginais cirúrgicos 4

Os partos vaginais cirúrgicos são aqueles em que é preciso certo grau de intervenção médica a fim de evitar maior sofrimento para a mãe a para o bebê. Nesse caso, é comum o uso de fórceps ou do extrator a vácuo.

O uso desses instrumentos, geralmente, se dá quando:

  • O feto está em sofrimento.
  • A mulher fica tão cansada que não consegue mais empurrar com eficácia.
  • O trabalho de parto é prolongado.
  • A mulher tem algum problema de saúde preexistente que tornam desaconselhável fazer muita força.
  • A posição fetal não está bem encaixada na pelve.
  • A bacia da mãe não está compatível com o tamanho do bebê.

Parto por fórceps

O fórceps é um instrumento metálico que funciona como uma espécie de pinça, porém, suas extremidades são arredondadas, como colheres. Esse instrumento é encaixado na cabeça do bebê para que o médico possa gentilmente puxá-lo, ajudando-o assim a sair do canal de parto. Raramente, o uso do fórceps machuca a cabeça do bebê ou mesmo causa algum tipo de ferimento à mulher.

Parto por vácuo-extração

O extrator a vácuo, como o próprio nome sugere, é uma pequena ventosa feita de um material semelhante à borracha conectada a uma fonte de vácuo. Essa ventosa é aplicada na cabeça do bebê e, com uma sucção leve, ele é puxado para fora do canal de parto. O uso do extrator à vácuo é uma opção ao uso do fórceps.

Partos vaginais naturais

O parto vaginal natural é aquele que permite à mulher maior controle do seu corpo durante o processo do nascimento. Sendo inclusive, o tipo de parto que permite uma variedade de alternativas no que diz respeito à posição corporal da mulher nesse momento.

O controle sobre o próprio corpo está dentre os motivos das mulheres escolherem o parto natural.

No parto natural não há interferência de medicamentos ou procedimentos. Para sua realização, são recomendados exercícios durante a gravidez, a fim de fortalecer o períneo e a musculatura da bacia.

Nesse sentido, a informação sobre partos alternativos é fundamental, uma vez que é preciso conhecer os tipos e posições do parto, para que cada mulher possa tomar a decisão de escolher a melhor posição e a melhor maneira de ter o seu bebê. Vamos ver então, quais os tipos de parto vaginal natural.

Tipos de parto vaginal natural 5

A essa altura, talvez você esteja se perguntando porque não falamos em “parto normal”, mas sim em “parto natural”, certo? A verdade é que ambos os termos são usados para descrever o parto vaginal.

No entanto, o parto natural ocorre com o mínimo de intervenções médicas possíveis, como o nome sugere. Isto é, conforme os comandos do corpo. Desta forma, a mulher tem espaço e tempo para fazer o que quiser a fim de se sentir mais confortável durante o trabalho de parto.

Além disso, a mãe é responsável e tem participação ativa no momento do nascimento do seu bebê.

Dentre as posições possíveis a mais tradicional em hospitais é a posição ginecológica. Agora, vamos conhecer outras posições possíveis.

Parto sentado

O parto sentado acontece em uma cadeira especial, com apoio para a nádega da mulher e uma abertura em forma de meia-lua na frente para facilitar o trabalho do médico, no momento de segurar o bebê.

O parto sentado tem se tornado cada vez mais comum.

Esse tipo de parto é mais rápido, a mulher sente menos dor e, em geral, não é preciso aumentar a abertura de passagem do bebê.

Parto de cócoras

É um parto de origem indígena, nele as índias tinham seus filhos de cócoras sendo auxiliadas pela ação da gravidade. Neste tipo de parto há um favorecimento da musculatura vaginal que se abre para todos os lados as invés de abrir-se para um lado só como acontece no parto tradicional, realizado em posição ginecológica.

Parto de joelhos ou de quatro

É indicado quando o trabalho de parto está acontecendo muito rapidamente, pois nesta posição a mulher tem mais controle em relação ao bebê, fazendo com que favoreça o período expulsivo.

Parto na água

Este parto tornou-se uma das formas mais suaves de trabalho de parto, tanto para a mulher quanto para o bebê, pois na água a mãe consegue relaxar na fase da dilatação, diminuindo constantemente a dor na hora da expulsão e, sobretudo diminuindo o estresse para o bebê.

Hoje em dia o parto na água pode ser realizado dentro de hospitais.

Nesse tipo de parto, a mãe fica dentro de uma banheira com água aquecida entre 36°C e 37°C, cobrindo toda a barriga. Para tornar a experiência ainda mais suave, o ambiente pode ficar à meia luz e o pai ou acompanhante ficar dentro da banheira apoiando a mulher durante o trabalho.

Parto lateral

O parto na posição lateral propicia uma participação mais ativa da mulher. Nessa posição, a mulher tem contrações mais intensas, porém, menos frequentes, o que torna o trabalho de parto menos desgastante.

Além disso, a mulher tem liberdade para abaixar a perna quando está muito cansada e também para recomeçar o esforço quando se sente pronta.

Parto Leboyer

É desenvolvido em uma sala de parto, com pouca luminosidade, em um ambiente calmo, e o recém-nascido é colocado sobre o peito da mãe para ser acariciado e amamentado logo após o nascimento e, em seguida, em uma pequena banheira com água morna, para reviver a sensação de estar de volta ao útero.

Parto humanizado 6

Atualmente é praticamente impossível falar em parto sem falar de parto humanizado. Mas o que talvez a maioria das pessoas não saiba é que o parto humanizado não é um tipo de parto.

Conforme a Organização Mundial da saúde (OMS), “humanizar o parto é um conjunto de condutas e procedimentos que promovem o parto e o nascimento saudáveis, pois respeita o processo natural e evita condutas desnecessárias ou de risco para a mãe e o bebê.

Ao entender o parto humanizado como respeito ao processo natural, a OMS defende a recomendação pelo parto natural, restringindo, então, a cesariana aos casos nos quais de fato essa medida seja necessária. 7

Portanto, parto humanizado não é “coisa de bicho grilo”, mas sim, uma forma de ver a mulher e o bebê como seres humanos, dignos de respeito, atenção e afeto nesse momento tão especial e único.

Bônus: O que levar na bolsa da maternidade?

Depois de tanto falar sobre a tão esperada hora do parto, é bom lembrar que esse momento todo especial exige uma preparação. Nessa preparação podemos incluir os itens essenciais para mãe e bebê que devem ser levados na bolsa da maternidade. Para facilitar listamos aqui o básico para a mãe, confira!

O que levar na bolsa da maternidade.

Itens essenciais para a mãe que devem ser levados na mala da maternidade são:
  • Duas ou mais camisolas, ou pijamas com abertura frontal.
  • Um roupão.
  • Calcinhas confortáveis.
  • Meias.
  • Sutiãs próprios para amamentação.
  • Absorventes para os seios.
  • Produtos de higiene pessoal (incluindo absorvente noturno, por exemplo).
  • Chinelo de dedo para o banho.

Já para o bebê a lista é um tanto mais extensa e varia de acordo com a época do ano. Para saber que itens são esses clique no banner abaixo e faça o download do material especial que fizemos sobre o tema.

Gostou desse conteúdo? Então, acompanhe a Supera e compartilhe este artigo, ajude a levar mais informação e bem-estar para as mulheres à sua volta!


Colaborou com esse artigo:

Dra. Karen Rocha De Pauw
Ginecologista – CRM-SP 106923
Site: www.doutorakaren.com


Referências bibliográficas e datas de acesso:

1 – Cordvida – 26/06/2020

2 – Gineco.com – 26/06/2020

3 – MSD Manual – 26/06/2020

4 – MSD Manual – 26/06/2020

5 – OLIVEIRA, J.C. et al. Conhecimento das gestantes sobre os tipos de parto. In: X Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VI Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba. 2006. – 26/06/2020

6 – MATEI, E.M. et al. Parto humanizado: um direito a ser respeitado. Cadernos: Centro Universitário São Camilo, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 16-26, 2003.

7 – Serviço Nacional de Saúde – 30/06/2020